Meu primeiro post nessa nova fase é para dar as boas vindas à você, que por algum motivo chegou até aqui (me conta como foi?) e para me apresentar um pouco melhor, explicando como começou minha jornada em busca de uma vida mais significativa.

Deixa eu me apresentar melhor!

Eu tenho 30 anos, completados no final de 2019 e que marcaram uma mudança significativa na minha vida.

Na verdade, foi uma coincidência poética que a chegada dos 30 fosse acompanhada de transformação.

Eu sou advogada por formação e atuei na área até 2016, quando fui demitida inesperadamente em decorrência de uma crise econômica no escritório onde eu trabalhava. (No futuro vou falar mais sobre isso, foi uma grande mágoa e, também, um divisor de águas.)

Minha saída acabou convergindo com a necessidade da empresa do Léo, meu marido, de contratar alguém para atuar na área administrativa. Após muito ponderar (ainda mais por implicar em redução de renda significativa), decidi mudar completamente de área para atuar em algo “nosso”.

A empresa era pequena (2 sócios e 3 funcionários), os processos administrativos quase inexistentes e eu estava entrando em um campo totalmente novo.

Então, dei adeus aos benefícios da carteira assinada e passei a experimentar diariamente os ônus e os bônus de ter o próprio negócio. (Não era exatamente meu, mas você entende o que quero dizer.)

Assim, a cada dia eu abraçava mais funções, desenvolvia novas competências e, em pouco tempo, fazia frente à tudo que remetia à gestão.

Uma nova carreira

Minha saída acabou convergindo com a necessidade da empresa do Léo, meu marido, de contratar alguém para atuar na área administrativa. Após muito ponderar (ainda mais por implicar em redução de renda significativa), decidi mudar completamente de área para atuar em algo “nosso”.

A empresa era pequena (2 sócios e 3 funcionários), os processos administrativos quase inexistentes e eu estava entrando em um campo totalmente novo.

Então, dei adeus aos benefícios da carteira assinada e passei a experimentar diariamente os ônus e os bônus de ter o próprio negócio. (Não era exatamente meu, mas você entende o que quero dizer.)

Assim, a cada dia eu abraçava mais funções, desenvolvia novas competências e, em pouco tempo, fazia frente à tudo que remetia à gestão.

O momento drástico

Seguimos com a equipe aumentando, a carteira de clientes e o trabalho também, o problema é que uma parte significativa desse trabalho dependia direta e exclusivamente do know how do Léo.

Com isso, cada dia mais vimos o excesso de trabalho, as preocupações e os problemas sufocando rotina dia após dia, de segunda a segunda.

Em 2017, o Léo começou um processo de burnout, que se potencializou no ano seguinte. E, é claro, eu vivi as consequências disso no meu emocional também.

Foi nesse período que começamos a virada de chave nas nossas vidas.

Nossa fuga nas viagens

Léo & Fabi Valle - Chile 2016

Estávamos vivendo constantes picos de estresse, falta de ânimo e motivação para acordar pela manhã, nossa saúde estava cada dia pior e nossos relacionamentos em geral debilitados.

Nossa única fonte de motivação eram as viagem que, por isso mesmo, fazíamos sempre que era possível (tanto pelo trabalho como financeiramente).

Viajar nos tirava daquele ciclo ruim que permeava nossos dias.

Era nesses momentos que conseguimos deixar a mente se aquietar e também que tínhamos a chance de nos reconectarmos um com o outro, mas principalmente, consigo mesmo. Pelo menos até o celular achar uma rede wifi e encher de mensagens relacionadas à problemas de trabalho.

Foi nesse momento extremo, pelo esse efeito quase milagroso das nossas viagens, que começamos a olhar a frase “largar tudo e viajar”, que sempre foi repetida em tom de brincadeira, de uma forma diferente, como uma opção real e possível.

A necessidade de mudança

A verdade é que precisávamos de uma mudança drástica nas nossas vidas, nós sentíamos essa necessidade latente.

Por isso ideia de largar tudo e viajar era tão atrativa, então começamos a pesquisar mais sobre o assunto e passamos a conhecer formas de vida diferentes, que tinham muito mais a ver com a gente, com o que queríamos para a nossa vida, pois havia ali um propósito maior que se alinhava com as nossas crenças e vontades.

Uma nova visão de vida – e uma nova fase

Foi assim que, entre 2018 e 2019, vivemos um processo intenso e de transformação, mudamos a maneira de enxergar a vida e entendemos que não queremos viver o mesmo dia todos os dias, a vida toda.

Aprendemos, também, que não precisamos de muitas coisas para sermos felizes depois que aprendemos a valorizar os momentos, as descobertas e as experiências que compartilhamos. Assim, abraçamos um estilo de vida mais simples e minimalista.

Vendemos a parte do Léo na empresa para o sócio dele no final de 2019 e, em 2020, demos inicio a uma nova fase das nossas vidas. (Explico mais aqui.)

E assim, começou minha jornada em busca de algo a mais, de uma vida diferente.

Minha jornada em busca de ser a melhor versão

Todo esse texto é para contar a linha do tempo que me trouxe até aqui e que despertou a vontade de compartilhar minha jornada para, quem sabe, inspirar você.

Talvez esteja numa situação similar à nossa, ainda que por causas diferentes, e não consiga ver que há uma luz. Só o que eu quero, primeiramente, é que você perceba que há sim uma saída. Na verdade, uma luz dentro de você que precisa ser acesa.

Ainda estou trilhando o início do meu caminho, mas decidi abri-lo aqui no blog para dividir como tem sido esse percurso, meus desafios e minhas evoluções, com o intuito de ajudar você a encontrar a sua própria rota.

Minha jornada está só começando! Vamos juntos construir uma vida mais feliz e significativa?